domingo, 1 de agosto de 2010

O Poder da Oração




No meu blog posto assuntos relacionados à educação ou a criança, porém não posso deixar de acrescentar aqui um artigo que mostre, independente da religião de cada um, o poder da entrega do ser.
 
“Através da oração…a energia que estava aprisionada é colocada em liberdade e, de alguma forma, objetiva ou subjetiva, interfere no mundo dos fatos.” William James, psicólogo e filósofo norte-americano.

Se alguém perguntasse: “Algum dia você já orou?”, é quase certo que a resposta seria um sim. Mas orar não é assim tão fácil. Não estamos falando das preces apressadas que a gente faz por hábito ou pensando nas contas para pagar e no dentista do caçula. A verdadeira oração envolve dois movimentos da alma: sentir a presença de algo sagrado e desejar, consciente e intensamente, entrar em contato com esse “ algo”. Não é um privilégio de uma ou outra religião. E nenhuma religião é completa sem esse ato. O desejo de um diálogo com o sagrado, transforma-se, nas palavras dos grandes místicos, na experiência de unir-se, de tornar-se “um” com o divino. “Eu sou tu e tu és eu”, proclamam com palavras idênticas o poeta sufi do Islão, Jalal ad-Din ar-Rumi e a mística cristã Ângela da Foligno. Isso é orar.

Por que orar é importante?

Mesmo que você não pretenda chegar ao êxtase experimentado pelos maiores místicos, qualquer pessoa pode extrair grandes benefícios da oração. Segundo o psicoterapeuta Arnaldo Bassoli, o desenvolvimento psíquico passa pela constatação de que existem forças poderosas atuando dentro de nós. Se você não entrar em contato com elas, fica aprisionado no ego e sente um enorme vazio. A oração seria uma das ferramentas para estabelecer esse contato. “A ampliação da consciência, esse fenômeno de suspensão do tempo e do espaço, esse arrebatamento que todos buscam, está aí, o tempo todo, virando a esquina” diz o psicoterapeuta, “basta estar preparado, escolher um bom guia, experimentar um pouco e enfrentar com seriedade suas escolhas”.

Para mudar de vida…

Muitos de nós ainda confundem orar com suplicar. A própria palavra “oração” vem do latim e quer dizer “pedido”. Não se culpe. A súplica é o início do contato. Aprender a orar é um exercício de altruísmo e de disciplina.

O Dali Lama ensina: “ A disciplina interior envolve o combate aos estados mentais negativos, como a raiva, o ódio e a ganância, e o cultivo de estados mentais positivos, tais como a benevolência, a compaixão e a tolerância.” Não é a nossa vida que muda, ou a natureza à nossa volta que fica diferente. É o significado que nós atribuímos à nossa vida ou às coisas que se modifica em contato com essas energias espirituais. “É como olhar para uma pessoa sem amor e olhar para a mesma pessoa com amor”, diz William James, psicólogo norte-americano que viveu no início do século. A diferença é imensa. Cultivar esses valores tem que se tornar parte da nossa vida diária. “Aplicai toda a diligência em juntar à vossa fé a virtude”, aconselha São Pedro (2 Pedro 1, 5-7).

Aprender a orar também exige uma certa humildade. No início, você provavelmente vai se sentir um papagaio, repetindo fórmulas sem perceber que elas têm uma ressonância. É cansativo, mas, aos poucos, seu estado interno de agitação vai mudando e, segundo os budistas, emerge a verdadeira natureza da mente: a compaixão.

Por Adília Belotti


Texto extraído do site:

http://colunistas.ig.com.br/toquesdealma/2009/11/22/o-poder-da-oracao/



1 comentários:

LILIANE disse...

Carmem,
Muito bom mesmo encontrar este artigo tão importante.
Acredito na oração e muito.
Ela não é um privilégio dos religiosos.
É um direito de cada ser humano.
No meu blog TOC de Menina, toda 5ª feira, será um momento de oração.Lhe convido para participar, claro.rsrs
Me encantei com seu blog
ele é lindo...
agradeço tambe´m as palavras tão carinhosas dirigidas a mim.
Foi um prazer conhecer você.
beijos carinhosos

Postar um comentário

Que bom que você veio escrever na lousa de comentários.
Obrigada!